Pedro Henríquez Ureña: do sepulcro à exumação

Uma de suas reflexões mais importantes, na esteira de certo arielismo latino-americano, se orienta pela contundente crítica às sociedades europeias no contexto após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

Pedro Henríquez Ureña

Pedro Henríquez Ureña nasceu em Santo Domingo, na República Dominicana, em 1884. Importante filólogo, filósofo, ensaísta, escritor e crítico literário, é autor de obras como Horas de estudio (1910), Nacimiento de Dionisios (1916), En la orilla: mi España (1922) e La utopía de América (1925), dentre outras. Circulou entre México, Cuba, Estados Unidos da América e Argentina, local onde faleceu em 1946. Viveu quase sempre sob o signo do exílio, do desenraizamento nacional e do deslocamento espacial. A despeito dos prejuízos à vida, foi esta condição de viajante que o possibilitou construir um olhar pautado em pontos de observação móveis, não reificados e não cristalizados, capazes de enxergar a cultura latino-americana a partir de uma ampla variedade de prismas e perspectivas. Em geral, […]

Antonio Candido e a América Latina

A divulgação da correspondência epistolar trocada com Ángel Rama, importante crítico literário uruguaio, nos permite resgatar um além: seu projeto de aproximação entre Brasil e América Hispânica.

Antonio Candido

Estava eu em Belo Horizonte, Minas Gerais, para participar do VI Encontro de Pesquisa em História (EPHIS), quando recebi a notícia: havia morrido Antonio Candido de Mello e Souza, consagrado intelectual brasileiro. 12 de maio. Salvo engano, uma fatídica sexta-feira. Perto de completar 100 anos, faleceu repentinamente no hospital. A repercussão foi grande, com noticiários em jornais, rádios, programas de televisão, nos mais diversos veículos de comunicação. Os textos sobre ele variavam: dos mais sentimentais e emotivos, passando pelos sisudos e distanciados, chegando até os apaixonados e absolutamente devotos. Chamou-me a atenção o fato de que todos aqueles que se dedicaram por algum tempo a escrever sobre Candido consideravam-no intérprete, historiador, sociólogo e/ou crítico literário das coisas do Brasil. Ideias […]

El fantasma de papel

El libro, símbolo del conocimiento y la información, está bajo asedio una vez más.

Feria Internacional del Libro en Guatemala

Después de tantas evidencias sobre los alcances de la guerra contra la información y el acceso a la educación y la cultura, no sorprende que en Guatemala el grupo empresarial organizado haya encontrado la manera de entorpecer una de las actividades culturales más importantes, atacando a la Gremial de Editores y pretendiendo apoderarse de los derechos legales que le otorgan la propiedad de la Feria Internacional del Libro en Guatemala. De este modo se unen al concierto orquestado por los poderes del Estado contra todo cuanto represente un espacio de libertad cívica. Quizá los editores nunca previeron que su pertenencia a la Cámara de Industria pusiera en peligro uno de sus eventos más emblemáticos. Sin embargo, las acciones del sector […]

Catarina Campos

03 de outubro de 2018. 04 dias para as (históricas) eleições para presidente do Brasil. Aliás, todas as eleições são históricas neste país, cujo processo de redemocratização é uma verdadeira novela sem fim e os enredos se repetem ou tomam rumos totalmente inesperados. Novelas: um gênero televisivo/literário que o brasileiro aprecia muito. Peço desculpas ao tom ácido em que começo esta postagem e que será a primeira deste humilde blog. Apresento-me para não ser indelicada: meu nome é Catarina Campos, brasileira de Salvador, atualmente vivendo na Espanha. Professora de português e literatura por formação, (pseudo) artista por acidente, estudante no Programa de Estudos Migratórios da Universidad de Jaén na Espanha e que almeja se inserir mais e mais no mundo […]

Eliane Potiguara

Sempre que alguém me pergunta quem eu sou, existe quase que uma obrigatoriedade de você ter que responder a cerca de seus títulos, seu estado civil, idade, o que você faz, o que fez, o que pretende fazer, onde nasceu, quem são seus parentes? Eu hoje tive vontade de falar de outra coisa. Eu sempre tive que transpor obstáculos para sobreviver. Toda minha família indígena, extremamente empobrecida, imigrou das terras indígenas paraibanas para Pernambuco por ação na neo-colonização do algodão por volta de 1922. Em pouco tempo, imigrou num navio sub-humano para o Rio de Janeiro. Nasci ali em 1950, num gueto formado por indígenas e judeus imigrantes da 2ª guerra Mundial que se tornaram bananeiros, carvoeiros. Minha família morou […]

Apresentação

Providências da crítica desde a periferia.

Literatura periferica

Salvo engano, a crítica literária é um espaço fronteiriço capaz de reunir diversas áreas do conhecimento. Hoje fortemente atrelada à instância universitária, devido sobretudo à diminuição do espaço público antes aberto à figura do estudioso das letras, tem sido cada vez mais relegada à categoria de “atividade complementar”. Mas na América Latina nem sempre foi assim: da forte participação ativa na imprensa no século XIX; passando pela atuação decisiva na cena intelectual do início do século XX; chegando à institucionalização do campo no pós anos 1950, quase sempre a figura do crítico literário foi decisiva na conformação da ideia de cultura. A ideia deste espaço, contudo, é resgatar a dimensão crítica dos estudos literários. Nosso foco recairá, do ponto de […]