Apontamentos sobre a comunicação

Quando se percebeu o poder que crescia nas redes, com a pauta conservadora tomando conta também da classe trabalhadora e do lumpesinato, foi tarde demais.

Na conversa com companheiros radialistas e jornalistas, no Seminário Internacional Direito Humano à Comunicação, promovido pela Frente Parlamentar pela Democratização da Comunicação da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira, dia 27 de novembro, apontei alguns elementos para a análise da realidade política e do jornalismo. Já temos bastante informação e análise sobre como chegamos à eleição de Jair Bolsonaro, sendo ele a representação dos anseios de uma boa parcela da população que já havia mostrado seus desejos explicitamente quando tomou as ruas em 2013. As pessoas pediam pelo combate à corrupção (porque estavam influenciadas pelas denúncias contra o PT, que sempre foi um guardião da moral e agora tinha suas vísceras expostas)  e pela volta dos militares (porque tomadas pelo medo que […]

A disputa do discurso é luta de classe

Para não sucumbir há que entender que a guerra está aí e que nela, a primeira vítima é a verdade.

A vitória de Jair Bolsonaro para a presidência fez assomar outra vez o discurso do anticomunismo, como se houvesse alguma ameaça comunista no Brasil. Não há. Mas, isso não importa. O que vale é o que aparece no uatizapi como verdade. E nesse universo dos aliados do presidente eleito até o Partido dos Trabalhadores é comunista. Não é e nunca foi. No máximo, socialdemocrata. Mas, isso também não importa, porque esse discurso parece já bem entranhado na vida de pelo menos 50 milhões de brasileiros. Tanto a mídia convencional quanto as redes sociais têm afirmado e respaldado essa ideia, que aparece como vencedora no imaginário de expressivo número de pessoas. E, no contexto desse discurso anticomunista e antipetista o que […]

Jornalismo, jornalistas e mentiras

Quem define o projeto editorial nunca é o jornalista. É o dono do negócio. E o dono do negócio define quem será notícia e quem não será.

A mídia brasileira foi pega de surpresa pelo presidente eleito nas últimas eleições quando este não quis saber de entrevistas nem de jornalistas para falar com seu eleitorado logo depois da vitória. Transmitiu suas palavras direto de casa, pelo celular, na sua rede social, sem mediações. Depois, nos dias que se seguiram chutou o pau da barraca de uma série de empresas de comunicação acusando os jornalistas de “fabricantes de mentiras”. Entre seus seguidores não há um que respeite a mídia. Os comentários são os mais estapafúrdios: a rede Globo é comunista, a Folha de São Paulo é do Lula. Ou seja: duas coisas que foram sistematicamente demonizadas durante a campanha eleitoral, comunismo e PT. A coisa beira ao surreal. […]

Quem conta um conto, aumenta um ponto (e um emoticon também)

A enxurrada de Fake News produzidas nestas históricas eleições brasileiras se mostram como um inimigo a mais à boa e velha política argumentativa. Barrar estas informações se tornou um objetivo a mais na corrida presidencial.

As eleições de 2018 no Brasil já são históricas não somente pelo clima gerado pós-impeachment de Dilma Rousseff, mas também devido o protagonismo dos meios de comunicação digitais. Os veículos comunicadores, em geral, são peças chaves para divulgar as campanhas eleitorais. Porém, nos últimos anos, por diversos fatores, a Internet passou de extremos como “querido amigo” à “persona non grata”. Não é de hoje que o Twitter, Facebook, Instagram, Youtube e WhatsApp se tornaram aliados (e também ferozes inimigos) das campanhas políticas. Voltando a mais ou menos há uma década (e me lembro muito bem porque foram eleições municipais), os vídeos e singles vinculados na televisão e rádio, respectivamente, começaram a aparecer no Youtube, eternizando candidatos e seus projetos. Outro fenômeno […]

O capitalismo, a banalização da vida e o Netflix

Mesmo que o meio seja um computador ou o celular, a ideologia televisa segue seu curso, firme e forte.

Foi na televisão que comecei minha vida profissional. Era 1982 e eu era repórter da Tv Caxias, em Caxias do Sul. Antes disso não era muito ligada em TV. Mas, depois que fui descobrindo suas entranhas, me apaixonei. Sou fascinada por tudo o que se produz na telinha. Espectadora voraz. Desde as primeiras matérias que produzi já percebi o poder desse veículo. Produtor da  ideologia poderosa da classe dominante, por vezes escapa, e pode até produzir conhecimento. É raro, depende muito das pessoas, mas acontece. Eu mesma, ao longo da vida televisiva, muitas vezes consegui fazer passar a luta dos sem-terra, as greves dos trabalhadores, enfim, outra informação. Gotas, mas, enfim… Há que resistir em qualquer lugar. Agora, nessa nossa […]

La Prensa Anarquista: resumen de una estrategia

Este trabajo nos acerca a algunos de los problemas que enfrentaba el movimiento anarquista entre las tres primeras décadas en la Argentina, época marcada por un gran fortalecimiento y expansión de los círculos libertarios en todo el país.

Los diversos trabajos que se han propuesto abordar la relación entre prensa y movimiento anarquista, así como las estrategias editoriales que articulan ambas categorías, han sido numerosos. De hecho, existe gran material disperso cuyas indagaciones, si bien no examina en concreto la vinculación entre intelectuales periodistas y movimiento anarquista, sí aportan valiosa documentación y referencia para acercarnos a nuestro objeto de estudio. Caso emblemático de lo descrito líneas arriba lo podemos hallar en la situación actual de la academia argentina en lo referente a nuestro tema de investigación. Uno de los trabajos que ha servido de base importante para el desarrollo de nuestra investigación lo constituye sin duda el de Ana Lía Rey: “Periodismo y cultura anarquista en la Argentina […]