A crise e a covid

Não bastasse isso a crise sanitária no país só se aprofunda. Passamos dos 400 mil mortos pela Covid-19, mortes essas que poderiam ser evitadas se tivéssemos um governo que se importasse com a população.

A crise e a covid

Até agora a pandemia tem feito muito bem aos ricos do país. Enquanto mais de 14 milhões de brasileiros caíram no desemprego e 40 milhões seguiram aos trancos e barrancos na informalidade, os 42 CPFs mais ricos do Brasil aumentaram sua riqueza em 180 bilhões de reais. Isso deixa bem claro porque os endinheirados não se importam quando a economia entre em crise. Porque o que aparece como crise para a maioria apenas serve para aumentar o conteúdo dos seus cofres. Essa é a natureza da crise: o momento em que o capital acumula mais. Então, cada vez que ouvires que o país está em crise, que a economia está em crise, atente: essa crise é só para os trabalhadores […]

Sobre os povos originários e a embaixada estadunidense

Ao longo dos anos nesse trabalho de divulgar o modo de vida indígena junto aos não-índios temos feita a crítica aos companheiros e companheiras da esquerda eurocêntrica que não conseguem compreender em profundidade o tema indígena e que apenas se juntam às causas dos originários em momentos pontuais, não existindo dentro dos partidos políticos, por exemplo, um trabalho sistemático de acompanhamento das lutas indígenas e de parceira real. No geral, os povos originários tem travados suas batalhas de maneira solitária.

Tenho pautado minha vida, desde há décadas, a trazer para o debate a questão indígena. Minha proposta sempre foi buscar uma ponte entre o mundo indígena – tão desconhecido pela maioria – e os trabalhadores, visto que, tanto um quanto os outros estão submetidos ao tacão do capital. Tenho claro de que o que aconteceu aqui nesse espaço geográfico em 1500 não foi um encontro de mundos, foi uma invasão que provocou genocídio, etnocídio e memoricídio, e que permitiu a ascensão do capitalismo nos países dito centrais. Milhões de almas foram dizimadas para que pudesse assomar o que hoje conhecemos como nação brasileira, e ainda assim, apesar disso, muitas etnias conseguiram sobreviver e seguem resistindo ao genocídio sistemático que nunca […]

Os movimentos brasileiros e Biden

Li a carta para Joe Biden, o presidente dos Estados Unidos, que quase 200 entidades e movimentos brasileiros assinam. Eles pedem que o governo dos Estados Unidos não feche nenhum acordo com o governo de Jair Bolsonaro e que discuta com a sociedade brasileira as proposta que ele possa ter para ajudar a Amazônia. Um equívoco constrangedor.

Li a carta para Joe Biden, o presidente dos Estados Unidos, que quase 200 entidades e movimentos brasileiros assinam. Eles pedem que o governo dos Estados Unidos não feche nenhum acordo com o governo de Jair Bolsonaro e que discuta com a sociedade brasileira as proposta que ele possa ter para ajudar a Amazônia. Um equívoco constrangedor. Ora, companheiros. Biden não terá nenhuma proposta para a Amazônia que não seja para defender os interesses dos Estados Unidos, como sempre foi qualquer ação por parte dos EUA na América Latina e no mundo. Esse é um governo que já começou bombardeando a Síria, reforçando os ataques aos palestinos e prendendo crianças latinas na fronteira. Biden não é um interlocutor para os […]

Lá vai o Brasil, descendo a ladeira

A verdade é como um esqueleto no armário. Mais dia, menos dia, ela aparece, ainda que seja tarde. É assim que, agora, vai se revelando o que todos sabíamos: o juiz Sérgio Moro, que conduziu o processo contra Luiz Inácio Lula da Silva manipulou, mentiu, agiu ilegalmente e tudo mais. O que era nítido naqueles dias agora ressurge com nova roupagem, visto que são os juízes da Suprema Corte que estão apontando os erros. Ainda assim, as emissoras de televisão, que foram pródigas em condenar o líder petista, comportam-se de maneira muito contida na divulgação dos fatos. O que antes era acompanhado de análises rebuscadas e áudios proibidos, agora aparece como mera notícia, sem maiores explicações. E não poderia ser diferente. A mídia comercial está sempre agarrada ao poder.

A verdade é como um esqueleto no armário. Mais dia, menos dia, ela aparece, ainda que seja tarde. É assim que, agora, vai se revelando o que todos sabíamos: o juiz Sérgio Moro, que conduziu o processo contra Luiz Inácio Lula da Silva manipulou, mentiu, agiu ilegalmente e tudo mais. O que era nítido naqueles dias agora ressurge com nova roupagem, visto que são os juízes da Suprema Corte que estão apontando os erros. Ainda assim, as emissoras de televisão, que foram pródigas em condenar o líder petista, comportam-se de maneira muito contida na divulgação dos fatos. O que antes era acompanhado de análises rebuscadas e áudios proibidos, agora aparece como mera notícia, sem maiores explicações. E não poderia ser […]

Notícias do Brasil

Para frear o colapso nos hospitais haveria duas saídas: ou ampliar de maneira intensa o número de leitos e de UTIs, ou o fechamento total das atividades. O tal do lockdown. Ou seja, o fechamento não é tanto para evitar o contágio, mas para segurar a onda nos hospitais. Quem não se lembra da China? Nos primeiros meses da Covid abriu gigantescos hospitais de emergência.

Para frear o colapso nos hospitais haveria duas saídas: ou ampliar de maneira intensa o número de leitos e de UTIs, ou o fechamento total das atividades. O tal do lockdown. Ou seja, o fechamento não é tanto para evitar o contágio, mas para segurar a onda nos hospitais. Quem não se lembra da China? Nos primeiros meses da Covid abriu gigantescos hospitais de emergência. No caso do Brasil, fazer o fechamento total implicaria ter políticas sérias de sustento das famílias que não tivessem salário para seu sustento, como os ambulantes, os autônomos e os pequenos e médios comerciantes. Já vimos isso, isso é impossível por aqui. Os pequenos e médios empresários não receberam ajuda e faliram. Houve crédito, mas […]

Chile: comunidade Mapuche em tempo de retomada

Desde a invasão espanhola e portuguesa, que os europeus insistem em chamar de “encontro de mundos”, o que se vê é a decisão permanente de destruição das etnias buscando integrar os povos indígenas ao modo de produção capitalista, no caso como mão-de-obra sem-terra, passível de exploração.

A população de etnia Mapuche, que vive no sul do Chile, carrega uma marca que se configura imperdoável: nunca foi colonizada. Nem na época da invasão espanhola, nem depois das guerras de libertação. E até hoje, passados sucessivos governos, insiste na sua autonomia. E, aqui, nesse ponto, há que se esclarecer. Autonomia não quer dizer separatismo, como muitos insistem em dizer – tanto à direita como à esquerda. Autonomia significa poder gerir seu território e os recursos que nele existem de acordo com sua cultura, sua cosmovivência. Para tanto, precisam que o estado chileno compreenda isso e pare de tratá-los como se fossem de outro planeta. Em países como a Bolívia e o Equador, por exemplo, esse debate já avançou […]