Tecetura Colaborativa

Deseja acordar a semente do ressuscitar da magia do sagrado feminino que habita as profundezas de todas as mulheres do mundo, ou seja, mulheres de color e mulheres brancas.

Tecetura colaborativa - 9
Tecetura colaborativa - 9

A filosofia desse texto de cunho poético-sensível-empírico tem como meio e não como fim, no sentido de não-condução e orientação lineares, a experiência semântica e prática sob uma perspectiva Nietzschiana espiralada e helicoidal na qual tudo está junto e misturado e com a qual as gentes do mundo não são tragadas e cooptadas em direção a um caminho pré-determinado onde o roteiro de vida já está traçado, e portanto, escrito. Traz a possibilidade de inclinar-se à instabilidade dionisíaca de se inventar uma estética de existir, já que não se vive separado do mundo, ao mesmo tempo que também procura equilibrar essa energia com a que deriva de Apolo. Tudo é retroalimentação contínua. Sendo assim, esse texto busca na transgressão semântica de Nietzsche um devir, um acontecimento, uma potência que se expressa, e portanto, que se irmana na “transvaloração,” apontada pelo autor para “estabelecer a supremacia da expressão sobre a argumentação, do estilo sobre a lógica, da fragmentação sobre a sistematização, do imagético sobre o teórico, do artístico sobre o científico.” (NOBRE, 2018, p. 58). Irá tratar da temática do feminino na cidade de Americana.  Dedica-se a desconstruir o fato da mulher (branca e não-branca) moderna ter tornado-se um “(…) borrão de atividades” além de sofrer “(…) pressões no sentido de ser tudo para todos. A velha sabedoria há muito não se manifesta.” (PINKOLA, 2014, p. 15). Tem a intenção de resgate da nutrição de mulher para mulher para muito além de classe, gênero e raça. Atenta-se para a retomada da capacidade de discriminação e da habilidade instintual para prever e evitar o perigo. Busca a recuperação das terras espirituais do arquétipo da mulher selvagem, imbuída de sabedoria, autoconhecimento, maturidade, que vive uma vida natural, de integridade inata e limites saudáveis. Anseia pelo revigoramento da força de fecundidade do feminino e sua simbologia no pluriverso. Deseja acordar a semente do ressuscitar da magia do sagrado feminino que habita as profundezas de todas as mulheres do mundo, ou seja, mulheres de color e mulheres brancas.

ÀS MULHERES DE TODOS OS TEMPOS …

Desmistificar o tempo,
enfrentar o problema filosófico do agora: as garras hipnóticas e afiadas da desistoricização desse mesmo tempo,
o não narrar ou não escrever a história.
Apofagia àquilo que rasga a utopia,
a consciência militante, de coletividade e de saberes ancestrais femininos.
O choro vem,
durante a construção semântica recém nascida,
fruto da própria experiência de vida,
por ter sobrevivido quando não se restavam forças,
quando a escuridão tomava conta.
Tecetura ColaborativaQuando a vontade de morrer estava se sobrepondo a de viver,
mas a Vida sempre predomina sobre a Morte,
ou quase Sempre.
Vale a pena lutar. Sangrar. Estancar.
Sonhar. Querer um outro mundo,
e criar um outro inteirinho,
novinho em folha,
para si e para outrem.
Despertar a não-aceitação imediata,
do que ergue-se diante de si.
O si,
Em si,
Por si.
E diante do nós.
As coisas da Vida são efemeridade,
transitoriedade.
A eternidade é inexistente,
ilusão veemente,
que confunde a mente.
Viver o tempo,
substâncial,
instintual,
que apresenta sua intuição,
como maturação psicológica,
de conhecimento íntimo de si.
De maneira existencial,
não tanto teórica,
não tanto perdurável.
Tudo existe para desaparecer.
O estofo da realidade humana é temporal.
Tempo.
Um processo.
Não o relógio.
Atravessado pelas coisas e pessoas,
sem limites,
nem delimitações.
Momentos.
Duração.
Tecetura colaborativa - 2Sequência ininterrupta.
Linhas de fuga.
Tramas de escape.
A Vida é,
o agora, o que será e o que foi sendo.
É corporal.
artesanal,
visceral.
É arte e as suas resistências.
É flanco decisivo de posicionamento.
Exatamente como o feminino e seus desdobramentos.
É desuniversalização do somos iguais,
da esteriotipação,
da homogeneização,
do sujeito Mulher.
Enxergar a conexão entre a Imagen Racializada,
dos corpos negros,
e
o racismo expressado,
no mundo enredado de sexualização desassociada de “la blancura.”
Enxergar a representação desviada,
depravada,
subalternizada,
inferiorizada.
Tecetura colaborativa - 3Corpo feminino negro como fatia de peitos de chocolate.
Signo de mercantilismo corporal,
e de disponibilidade ilimitada,
a qualquer preço.
Dinâmica psicossexual brutal,
abismal,
umbral.
Como é possível que corpos femininos negros sejam
reduzidos a mera espetacularização?
a mera objetificação?
A sacrificable expendable?
Corpos silenciados, Não!Resistem.
Gritam transgressivamente.
Opõem-se à ideologia representativa de si mesmas,
e ao bombardeio incessante de imagens,
de corpo sacrificável.
Absorção passiva,
da ideia mortal.
Veemência ativa,
de uma persistência vital.
Trânsito sináptico e contraditório.
Incontáveis exemplos,
de apropriação,
exploração,
Tecetura colaborativa - 4estereótipos negativos.
Iconografia racista.
Sexualidade que sucumbe à luxúria masculina,
enquanto a questiona,
a enfrenta,
a atormenta,
a desdenha.
Sente nojo.
Dor.
Pavor.
Ardor.
Queima.
Treinada,
para ser alimentação,
de um suposto alguém.
Tecetura colaborativa - 5Faz-se a única caça,
que também é instruída,
para agradar,
o patriarcal caçador.
Ou é feita?.
Fantasia pornográfica,
mujer de color,
selvagem sexual.
Produto.
Impacto.
À disposição forçada da supremacia patriarcal branca.
Objeto de abusos.
Humilhações.
Feridas latejantes.
Lancinantes.
Violentadas.
Tecetura colaborativa - 6Erotismo usurpado.
Dilacerado.
Extirpado.
A vida espiritual,
parece,
esvair-se.
Daí volta.
Mais forte,
robusta.
Possante.
Vibrante.
Mesmo que rastejante,
paulatina.
Mesmo com ausência,
dos movimentos externos.
Os internos,
prevalecem intocáveis.
Imunes.
Resilientes.
Alcalinos.
Tecetura colaborativa - 7Ferozes.
Mesmo amordaçada,
conserva sua força.
Sem o domínio do corpo,
ela domina a mente.
O imagético.
O metafórico.
É plano da expressividade de si mesma.
Contém a contenção.
Apanha os traumas,
com as próprias mãos.
Transforma-os,
na sua força mais indestrutível,
mais guerreira.
Vai para guerra,
veste a armadura,
cria uma subjetividade peculiar,
desobedecendo aquilo que lhe parece tradicional ressoar.
Concebe oposição,
ao que lhe gera total abstração,
de um mundo simbólico-prisional.
Tecetura colaborativa - 8Liberta-se das amarras,
aprende o mundo do Amo,
domina-o,
mata-o.
Estratégia implacável,
rupturista.
Extermínio,
daquele que é representação,
do Mal.
Daquele que é produção da injustiça,
que é ameaça à possibilidade de Vida.
Ela tece suas Verdades.
Restaura-se no colonial mundo forjado,
enfrenta-o.
Cria outros caminhos,
vive-os.
Tecetura colaborativa - 9Ela não é classe.
Ela não é gênero.
Ela é um a representação da honra simbólica de uma cultura.
Ela é a anciã genética do comunal.
Sendo assim…
Por que a díade sujeição/dominação não une Todas?
Deveria.
Ela não é minoria.
Ela é poesia.
Conectividade política.
Fertilidade embrionária que explode,
deixa partículas,
que desabrocham no tempo e no espaço.
Ela é a personificação,
Tecetura colaborativa - 10da transvaloração dos valores de Nietzsche.
Exala a transcendência dos limites,
a própria linguagem aforismática.
Exercício da crítica.
Intersecionalidade política.
Lógica da argumentação.
Dialógica.
Decomposição analítica.
Ela é a compreensão da História,
que a compôs.
A distinção do pensamento,
como perseguição da verdade.
Simultaneamente,
A distinção
daquilo que se expressa,
sobre o que se argumenta.
Tecetura colaborativa - 11Daquilo que é estilístico,
sobre aquilo que é matemático.
Do visível,
sobre o conceitual.
Do artístico,
sobre o científico.
Ela é liberdade.
Origem.
Ela é palavra e matéria prima.
É face e
é eixo de rotação.
Ambos refrangem conforme,
orientam-se,
e não conforme podem ser orientadas.
Ela é lâmina polarizante,
que corta e se sobrepõe.
É cadência reflexiva.
Sempre quer dizer algo,
E sempre o diz.
Tecetura colaborativa - 12É projeção de lucidez.
Concretismo.
É arquitetura móvel.
A Mulher não-branca e branca,
ainda que diante de experiências de violência tão diferentes,
é signo linguístico.
Rítmico.
Orquestração poético existencial.
Espírito que ousa.
Que suporta.
Que resiste.
Que luta.
Que persiste e incide.
Posição e oposição.
Intempestividade encarnada alegoricamente.
Artimanha retórica resplandescente.
Pura potência permanente.

 

Referências bibliográficas

Hooks, Bell. Vendiendo Bollitos calientes: Representaciones de la sexualidad femenina negra en el mercado cultural, 2003.

Leopoldo, Franklin https://www.youtube.com/watch?v=kWS5Wnv0LEw Vídeo Henri Bergson: Tempo e Memória.

Medina, Javier. “Introito. Una aproximación a los conceptos de occidente e indianidad.” Em: Suma Qaamaña. Por uma convivialidad postindustrial, documento inédito, pp. 04-17, 2006.

Nobre, Renarde F. Nietzsche e a escrita artística do pensamento. Trans/Form/Ação, Marília, v. 41, n. 3, p. 57-78, Jul./Set., 2018.

Pinkola, E. C. Mulheres que correm com os lobos. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

 

Paola Dias Babeto de Oliveira
Fotografía / Artes plásticas. Paola Dias Babeto de Oliveira
Ilza Maria do Prado
Participante do ensaio. Ilza Maria do Prado
close

¡SUSCRÍBETE A NUESTRO BOLETÍN!

Te prometemos por la justicia social que nunca te enviaremos spam ni cederemos tus datos.

Lee nuestra política de privacidad para más información.

mm

Pedagoga. Coordenadora. Mestranda em Educação. Feminista Decolonial e antirracista. Escritora. Apresentadora no portal de notícias com tv web integrada.

¿Qué te ha parecido?