As faces da solidão

O filme inicia com dados que afirmam a condição de 48% da população afroequatoriana vivendo abaixo da linha da pobreza, e tendo a mulher negra como alvo de distintas violências sociais.

As faces da solidão 1

O sentimento da solidão pode se mostrar de diferentes maneiras, desde algo muito íntimo até chegar em formações coletivas de estar e ser no mundo. Desde o Equador, o documentarista Galo Betancourt resolve registrar a solidão de mulheres afroequatorianas, e nos faz refletir sobre as distintas maneiras da solidão. O filme El bairro de la mujeres solas (2013) realiza o registro de quatro vidas de mulheres negras em sua pluralidade em ser trabalhadora, mãe, amante, agente cultural, e entre tantas condições que se estabelecem em sua cadeia formativa. Na representação fílimica, as componentes do grupo de dança Afrosentimiento Latino fazem da sua organização uma luta por alimentar raízes, reverenciar antepassados e promover avanços identitários. Assim, a temperança da maternidade se […]

Los efectos del racismo en los afrodescendientes de América Latina

Con frecuencia quienes son víctimas de racismo, al hacer referencia a ello, son acusados de victimizarse, de ver racismo en todas partes, de tener complejo de inferioridad, baja autoestima, traumas, de ser susceptibles, sensibles y paranoicos.

Efectos racismo

En América Latina, poco se habla del racismo, y cuando se hace, esto despierta grandes oleadas de polémica. El enardecimiento y la indignación de aquellos que de manera vehemente niegan la existencia del racismo y, la condena una vez más al ostracismo de aquellos que osaron a denunciarlo, que se atrevieron a evocar los “fantasmas del pasado”. Esta situación ha favorecido la sistemática invisibilización de los efectos del racismo pues, el tema no forma parte de la narrativa de quienes han sido victimizados por su racialidad, como tampoco forma parte de la producción académica en el ámbito de la discriminación racial. En 1897 fue el sociólogo William Edward Burghardt Du Bois quien puso en discusión la psicología del racismo cuando […]

Devemos manter fronteiras geográficas, epistêmicas, políticas e culturais com a África?

O que se entende e defende por Iberoamerica é um belo pedaço de construção imagética, que é resquício direto de tempos passados, coloniais e imperiais.

fronteiras

O conjunto de reflexões que proponho aqui busca recuperar breves debates que em outros momentos deve nos ter passado em frente aos olhos, mas sem ter sido realmente visto ou até problematizado de maneiras mais pormenorizadas. Pergunto agora de modo explícito se é possível ou pertinente construir ou manter uma definição qualquer de Iberoamerica que ignore as nossas raízes e as relações com povos, territórios e modos de pensar e viver assim chamados… Africanos? Especialmente em um momento onde alardeamos a revisão de limites, fronteiras e distanciamentos que nos são impostos. Os países e territórios que compõem a chamada Iberoamerica são atualmente em número de vinte e dois((Em ordem alfabética: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba,  Espanha, Equador, […]