A gente “combinamos” de não morrer?

Contenido principal del artículo

Yordanna Lara Pereira Rêgo

Resumen

onceição Evaristo (2017), no título e no conto “A gente combinamos de não morrer”, um dos que compõem a obra Olhos D’Água, faz referência à resistência negra diante do genocídio perpetrado pelo Estado brasileiro em nossa direção, desde à invasão do Brasil.  O que eu quero refletir é se podemos afirmar que essa afirmação vale quando se trata de questionar a cisheteronormatividade, a partir da principal método/conceito cunhado no bojo da Teoria Feminista Negra, Interseccionalidade.

Detalles del artículo

Citas

Akotirene, C. (2019). Interseccionalidade. São Paulo: Pólen

Carneiro, A. S. (2003). Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Revista Estudos Avançados, 17 (49).

Crenshaw, K. (2005). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, [s. l.], 1 (10), 171–188.

Evaristo, C. (2016). A gente combinamos de não morrer. In: Evaristo, C. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional.

Gonzalez, L. (1984). Racismo e sexismo na Cultura Brasileira. In: Silva, L. A. Movimentos sociais urbanos, minorias étnicas e outros estudos. Brasília: ANPOCS.

Mbembe, A. (2018). Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Trad. Renata Santini. São Paulo: N-1 edições.

Oliveira, M. R. (2018). Por que você não me abraça? SUR, 28 (15).

Rego, Y. L. (2019). Reflexões sobre afronecrotransfobia: políticas de extermínio na periferia. Humanidades & Inovação, 6 (16), 167-181.