La Compañía de Jesús y los inicios del desarrollo científico-cultural de la colonia brasileña.

Contenido principal del artículo

Resumen

Este estudo procura dimencionar a participação de padres da Companhia de Jesus, em especial do padre tcheco Valentim Estancel, no desenvolvimento educacional e científico do Brasil Colonial ao realçar suas atividades nas transformações político-religiosas e científicas ocorridas no Brasil e na Europa nos séculos XVI e XVII. O padre Valentim Estancel nasceu em Olomouc, no antigo reino da Morávia, na atual República Tcheca, em 1621. Sua trajetória intelectual começou em sua cidade natal, passou pelas cidades tchecas de Brno, Jičin e Praga, capital do reino da Boêmia. No ano de 1655 Valentim Estancel partiu para Roma, cidade em que expandiu suas conexões ao entrar em contato com grandes nomes da ciência e da ciência jesuítica. No ano seguinte partiu para Portugal onde viveu por seis anos se tornando professor da Aula da Esfera, um dos mais avançados centros de ensino sobre ciência náutica da Europa na altura. Em 1663 chegou ao Brasil onde viveu 42 anos. Na missão do Brasil revezava-se entre os colégios da Bahia, onde lecionou Teologia Moral e foi Lente de Matemática, e de Pernambuco, onde foi Prefeito dos Estudos e foi Lente de Casos de Consciência. O padre Valentim Estancel, além dessas obrigações como jesuíta escolástico, observou os céus e escreveu livros sobre diversos temas de grande repercussão na Europa. O padre Valentim Estancel morreu no ano de 1705, em Salvador da Bahia, Brasil aos 84 anos de idade tendo sido um dos primeiros introdutores da ciência no Brasil.

Publicado: dic 9, 2019
Palabras clave:
Valentim Estancel, Cultura Colonial, Brasil Colonia, História de la Ciência en Brasil, História de la Ciência, Siglos XVI y XVII, Jesuitas
Cómo citar
Frederico Guilherme Monturil. (2019). La Compañía de Jesús y los inicios del desarrollo científico-cultural de la colonia brasileña. Iberoamérica Social: Revista-Red De Estudios Sociales, (XIII), 107-129. Recuperado a partir de //iberoamericasocial.com/ojs/index.php/IS/article/view/396

Detalles del artículo

Citas

Abreu, C. de. (1954). Capítulos de História Colonial 1500-1800. Rio de janeiro: Ed. Briguiet.
Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, julho de 2011.
Antonil, A. J. (1711). Cultura e Opulência do Brasil por suas Drogas e Minas.
Brandão, A. Fernandes. Diálogos das Grandezas do Brasil de 1618.
Carta do Conselho Ultramarino. Lisboa, 17 de março de 1711.
Carta do Dr. Diogo de Gouvea “o velho“ a D. João III Rei de Portugal in: Paulo de Assunção. A terra dos brasis: a natureza da américa portuguesa vista pelos primeiros jeuítas (1549-1596). São Paulo: Anna Blume, 2001, p. 63 e nota 45.
Fernandes, F. (1951). A função social da guerra na sociedade Tupinambá. Sao Paulo: Revista do Museu Paulista.
Ferronha, L. A. (1991). O confronto do olhar. O encontro dos povos na época das navegações portuguesas séculos XV e XVI. Lisboa: Editorial Caminho, p. 12.
Freitas, C. Corrêa e Silva de. A santidade no discurso: a construção de uma identidade missionária jesuíta no século XVII, Revista IHS - Antiguos jesuitas en Iberoamérica. vol 2, n°1, 2014.
Gãndavo, P. de Magalhães. (1576). História da Província Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil.
Herckmans, E. (1886). Descripção geral da Capitania da Parahyba. In: Revista do Instituto Archeologico e Geographico Pernambucano. Recife: Typografia Industrial.
Hoornaert, E. (1992). História da Igreja no Brasil: ensaio de interpretação a partir do povo. Primeira época. Petrópolis: Vozes, 4°. Ed., p. 109.
Instituto Histórico e Geográfico de Santos. Pequena biografia do Frei Vicente do Salvador. s/d In: http://www.ihgs.com.br.
Jesus, R. Lee Pessoa de. (2011). A Historia da América Portugueza (1730) de Sebastião da Rocha Pita: o contexto, o autor, a obra, Revista de História da Sociedade e da Cultura. Coimbra: Universidade de Coimbra, n°11.
Leite, S. (1955). Cartas do Brasil e mais escritos do Pe. Manuel da Nóbrega (Opera Omnia), com introdução e notas históricas e críticas. Acta Universitalis Conimbrigensis. Coimbra. 117+570 pp.
______. (1949). História da Companhia de Jesus no Brasil. Rio de Janeiro: INL, Tomo VI, pp. 556-557.
______. (1965). Novas páginas de História do Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional. Apêndice 2.
Léry, J. de. (1578). Viagem a Terra do Brasil. Paris.
Montalboddo, F. de. (1507). Terras Recentemente Descobertas.
Pita, S. da Rocha. (1730). Historia da America Portugueza desde o anno de mil e quinhentos do seu descobrimento, até o de mil e setecentos e vinte e quatro. Lisboa: oficina de Joseph Antonio da Sylva.
Prado JR, C. (2011). Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Companhia das Letras.
Ramos, L. A. de Oliveira. (2003). Um Jesuíta do Barroco (1596-1671). Barroco: Actas do II Congresso Internacional. Universidade do Porto. Faculdade de Letras. Departamento de Ciências e Técnicas do Património.
Ramos, L. A. de Oliveira. Um jesuíta barroco (1596-1671).
Rodrigues, F. (1992). O Padre Antônio Vieira, conclusões e aplausos à luz de documentação inédita, Revista de História, vol. 11, pp. 81-115.
Rosendo, Ana I. Rodrigues da Silva. (1996). Inácio Monteiro e o Ensino da Matemática em Portugal no Século XVIII. Dissertação de Mestrado, Departamento de Matemática Universidade do Minho, Braga, pp. 20-21.
Salvador, F. V. do. (1627). História do Brasil 1500-1627.
Santos, F. L. Aldeamentos Jesuítas e Política Colonial na Bahia, Século XVIII, Revista de História 156 (1º semestre de 2007), pp. 107-128.
Sousa, G. Soares de. Notícia do Brasil ou Tratado Descritivo do Brasil de 1587.
Thévet, A. (1575). Cosmografia Universal. Paris.
______. (1557). Les singularitez de la France Antarctique. Paris.
Vasconcelos, S. de. (1672). Vida do Venerável Padre José de Anchieta. Lisboa: Oficina João da Costa, 1672.
Veríssimo, J. (1916). História da Literatura Brasileira. Rio de Janeiro.