"Pueblo verdadero, pueblo auténtico". Viviendo entre los Xavante de Parabubure

Contenido principal del artículo

Felipe Oliveira

Resumen

Este artículo presenta un relato de experiencia de cuño etnográfico sobre la vivencia junto al pueblo indígena Xavante de la Aldea Daritidzé, Tierra Indígena Parabubure, Mato Grosso, Brasil. El objetivo principal fue relatar el cotidiano de las relaciones abarcando aspectos como sociabilidades, alimentación y cultura, salud, educación y la relación con la sociedad no indígena del entorno. Observación participante, entrevistas y análisis de documentos fueron los principales métodos utilizados, apoyados por registros fotográficos y de cuño personal. El texto se propone presentar la realidad cotidiana vivenciada por la comunidad, bajo la perspectiva del investigador, problematizando aspectos cruciales para la mejor comprensión de la realidad local y de las dinámicas entre las sociedades indígena y no indígena en Brasil.

Detalles del artículo

Citas

Becker, H. S. (1994). Observação social e estudos de caso sociais. Métodos de pesquisa em ciências sociais. Tradução: Marco Estevão e Renato Aguiar. São Paulo: Hucitec.
Brasil (2016). Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário. Estudos Etnográficos sobre o Programa Bolsa Família entre Povos Indígenas, Relatório Final. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação. Brasília/DF.
Brumer, A. et al. (2008). A elaboração de projeto de pesquisa em ciências sociais. In: Guazzelli, C. A.; Pinto, C. R. J. B. (Org.). Ciências Humanas: pesquisa e método. Porto Alegre: UFRGS.
Carneiro Da Cunha, M. (2002). Introdução a uma história indígena. In: ______. História dos Índios no Brasil. 2ª. Ed. São Paulo: Cia das Letras.
Carvalho, O. M. B. (2010). Políticas públicas, sustentabilidade social e povos indígenas: os Xavante da terra indígena de Parabubure em Mato Grosso. 127 f. (Dissertação de Mestrado Centro de Desenvolvimento Sustentável). Universidade de Brasília, Brasília/DF, Brasil.
Conselho Iindigenista Missionário – CIMI. Relatório Violência contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2015. Disponível em: . Acesso: 17 de jan. 2017.
DaMatta, R. (1987). Relativizando: uma introdução à antropologia social. 3ª. Ed. Petrópolis: Vozes.
De Souza, L. G.; Da Cunha, B. C. B. (2014). Os Indígenas Xavante no Censo 2010. In: Anais do XIX Encontro Nacional de Estudos Populacionais, São Pedro/SP, Brasil.
Ferraz, I. (1992). Relatório do leilão da gleba Suiá Missu onde foi impedida a presença de índios Xavante. Ed. CTI.
Funai. Listagem de Terras Indígenas, 2011. Disponível em: Acesso: 08 de jan. 2017.
Geertz, C. (1989). A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC.
Giaccaria, B. (1959). Cartilha para uso dos Xavantes das margens do rio das Mortes. Grupo Missionário D.L. Lasagna: Instituto Teológico PIO XI, São Paulo.
Gomide, M. L. C. (2008). Marãnã Bödödi – a territorialidade Xavante nos caminhos do Ró. 436 f. (Tese de Doutorado em Geografia Física – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas). Universidade de São Paulo, São Paulo/SP, Brasil.
Gonçalves, R. C. (2012). A diversidade sociocultural no Programa Nacional de Alimentação Escolar: uma etnografia da alimentação escolar indígena entre os Xavánte de Parabubure, Mato Grosso. 196 p. (Dissertação de Mestrado em Nutrição). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC, Brasil.
IBGE. (2012). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Os indígenas no Censo Demográfico 2010: primeiras considerações com base no quesito cor ou raça. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Rio de Janeiro.
Lachnitt, G. (2004). Damreme’ uwaimramidzé: estudos sistemáticos e comparativos de gramática Xavante. 3ª. Ed. Campo Grande: MSMT/UCDB.
Lopes da Silva, A. (1986). Nomes e amigos: da prática Xavante a uma reflexão sobre os Jês. São Paulo: FFLCH Universidade de São Paulo.
______. (2002). Dois séculos e meio de história xavante. In: Carneiro da Cunha, M. (Org.). História dos Índios no Brasil. (pp. 357-378). 2ª. Ed. São Paulo: Cia das Letras/Secretaria Municipal de Cultura /Fapesp.
Lüdke, M.; André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.
Malinowski, B. (1979). Argonautas do Pacífico Ocidental, Col. Os Pensadores, São Paulo, Ed. Abril.
Martucci, E. M. (2001). Estudo de caso etnográfico. Revista de Biblioteconomia de Brasília, v. 25, n. 2, pp. 167-180.
Muria, G. C.; Ribeiro, M. T. (2011). Diagnóstico rápido indígena das aldeias jurisdicionadas à CTL Xavantina – T. I. Parabubure. Nova Xavantina: Fundação Nacional do Índio. 35 p.
Oliveira, R. C. de. (2000). O trabalho do antropólogo. 2ª. Ed. São Paulo: Editora Unesp: Paralelo 15.
Ravagnani, O. M. (1991). A experiência xavante com o mundo dos brancos. Série TEXTOS. Araraquara: UNESP.
Rezende, G. C. (2009). A relação entre indígenas e não-indígenas na zona urbana: fronteira cultural. Coletânea educação escolar indígena; v. 8. 116 p. Cuiabá: EdUFMT.
Ribeiro, D. (1970). Os índios e a civilização. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro.
Ribeiro, M. T. (2015). Levantamento das roças tradicionais das aldeias atendidas pela Coordenação Técnica Local em Nova Xavantina – TI Parabubure. Nova Xavantina: Fundação Nacional do Índio. 71 p.
Richardson, R. J. et al. (2015). Pesquisa social: métodos e técnicas. 3ª. Ed. São Paulo: Atlas.
Siasi. Sistema de Informação da Atenção à Saúde Indígena. Secretaria Especial de Saúde Indígena – SESAI. Ministério da Saúde. Dados gerais do Dsei Xavante, referentes a 2013. Disponível em: Acesso: 16 de jan. 2017.
Silva, J. P.; Agostini S. M. (1995). Parasitoses intestinais nos índios Xavánte de Parabubure, Mato Grosso, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 11, n. 4, p. 630.
Tsi’Rui’a, A. T. (2012). A Sociedade Xavante e a Educação: um olhar sobre a escola a partir da pedagogia Xavante. 258 f. (Dissertação de Mestrado em Educação). Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande/MS, Brasil.