Control social en el sistema coronelista brasileño (1890-1930). "A los amigos se hace justicia, a los enemigos se aplica la ley"

Contenido principal del artículo

Márcio Júlio da Silva Mattos

Resumen

En este artículo, propongo analizar el control social durante la Primera República desde el sistema de análisis de coronelismo brasileño. En este sentido, la noción de una ética de cordialidad está informando la comprensión de la identidad nacional. Por lo tanto, presentaré algunas características del sistema político, como lo describe Leal (1948), usando un marco analítico específico construido a partir del concepto de figuración de Elias (1993). La configuración del régimen político está marcada por la matriz económica agraria, el declive de los grandes terratenientes, la debilidad del gobierno y la implementación del modelo representativo que extiende el sufragio. Finalmente, la noción de cordialidad es una característica interpretativa clave para las relaciones de control social, en oposición a la ética de civilidad que los cambios modernistas asumieron en su momento, como lo describe Holanda (1936).

Detalles del artículo

Citas

Alvarez, M. C. (2004). Controle social: notas em torno de uma noção polêmica. São Paulo em perspectiva, 18(1), 168–176.

Avelino Filho, G. (1990). Cordialidade e civilidade em Raízes do Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 5(12), 5–14.

Carvalho, J. M. de. (1997). Mandonismo, Coronelismo, Clientelismo: Uma Discussão Conceitual. Dados, 40(2). http://doi.org/10.1590/S0011-52581997000200003

Costa, A. T. M. (2004). Entre a lei e a ordem: violência e reforma nas polícias do Rio de Janeiro e Nova York. Rio de Janeiro: FGV.

Da Matta, R. (1982). As raízes da violência no Brasil: reflexões de um antropólogo social. In P. S. Pinheiro (org.), Violência brasileira. São Paulo: Brasiliense, pp. 14–28.

De Almeida, Â. M. (1997). Violência e cordialidade no Brasil. Estudos Sociedade e Agricultura, 9, 127–136. Recuperado de http://r1.ufrrj.br/esa/V2/ojs/index.php/esa/article/view/118

De Brito, E. M. (2007). A ficção e a realidade: a imagem da polícia na literatura dos primeiros anos da República brasileira (1889-1910). Revista Línguas & Letras, 8(15), 119–129.

De Melo, M. R. (1985). Patriarcas e carreiros: influência do coronel e do carro de boi na sociedade rural do Nordeste. 3ª Edição. Editora Universitária: Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

De Souza, M. (1999). A cordialidade como mal-estar ou a violência como o recalcado. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, vol. 2, n. 4, p. 123-142, Dez. https://dx.doi.org/10.1590/1415-47141999004008.

Tavares do Santos, J. V. (1997). A arma e a flor: formação da organização policial, consenso e violência. Tempo Social, 9(1), 155–167. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/86536

Durkheim, É. (1999). Da divisão social do trabalho. 4ª Edição. São Paulo, SP: Editora Martins Fontes.

Elias, N. (1993). O processo civilizador: Volume 2: Formação do Estado e Civilização. Editora Jorge Zahar.

Elias, N. (1999). Introdução à Sociologia. Lisboa: Edições 70.

Esteves, P. L. M. L. (1998). Cordialidade e familismo amoral: os dilemas da modernização. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 13, n. 36. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-69091998000100006

Foucault, M. (2014). Vigiar e punir. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Holanda, S. B. de. (1936). Raízes do Brasil. 27a Edição. São Paulo: Companhia das Letras.

Leal, V. N. (1948). Coronelismo, enxada e voto. 7a Edição. São Paulo: Companhia das Letras.

Machado da Silva, L. A. (1993). Violência urbana: representação de uma ordem social. Brasil urbano: cenários da ordem e da desordem. Rio de Janeiro: Notrya.

Machado da Silva, L. A. (1994). Violência e sociabilidade: tendências da atual conjuntura urbana no Brasil. Globalização, fragmentação e reforma urbana. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Machado da Silva, L. A. (2004). Sociabilidade violenta: por uma interpretação da criminalidade contemporânea no Brasil urbano. Sociedade e estado, 19(1), 53–84.

Machado da Silva, L. A. (2008). Violência urbana, sociabilidade violenta e agenda pública. Vida sob cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, pp. 35–45.

Mattos, M. J. S. (2012). Reconhecimento, identidade e trabalho sujo na PMDF (Dissertação de Mestrado em Sociologia). Universidade de Brasília, Brasília.

Misse, M. (1997). Crime urbano, sociabilidade violenta e ordem legítima: Comentários sobre as hipóteses de Machado da Silva. Rio de Janeiro. Disponível em:< http://www. necvu. ifcs. ufrj. br/arquivos/Sobre% 20a% 20sociabilidade% 20violenta% 20de% 20Macha do. pdf>.

Paixão, L. A. (1988). Crime, controle social e consolidação da democracia: as metáforas da cidadania. A democracia no Brasil: dilemas e perspectivas. Rio de Janeiro: Vértice.

Paoli, M. C., Benevides, M. V., & Pinheiro, P. S. (1982). Violência brasileira. São Paulo: Brasiliense.

Porto, M. S. G. (2010). Sociologia da violência: do conceito às representações sociais. Brasília: Francis.

Rago, M. (1985). Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar – Brasil: 1890-1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Ribeiro, L. S. (2010). Processo e figuração: um estudo sobre a sociologia de Norbert Elias. Tese de doutorado em Sociologia defendida no IFCH da Universidade Estadual de Campinas. Recuperado de http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000479342

Ross, E. A. (1959). Social control and the Foundations of sociology: pioneer contributions of Edward Alsworth Ross to the study of society. Beacon Press.

Weber, M. (1991). Economia e Sociedade, vol. 1. Brasília: Editora UnB.