“Manifest”. A música como contestação ao Massacre do Carandirú

Contenido principal del artículo

Glauber Barreto Luna

Resumen

Este artículo tiene como objetivo analizar sociológicamente la poética de la contestación social expresada en la canción "Manifiesto" lanzada en 1993 en el álbum titulado "Chaos A.D." de la banda brasileña de rock metal Sepultura. La composición mencionada trata sobre el asesinato de 111 detenidos de la Casa de Detención de São Paulo por la policía militar del estado de São Paulo en 1992. Este evento se conoció como "La masacre de Carandirú" y destaca las acciones violentas que a menudo se llevan a cabo. por agentes de seguridad pública y el trato degradante al que está sometida parte de los reclusos en las cárceles brasileñas. Para eso, las composiciones se toman aquí como elementos simbólicos con un ethos pertinente a una sociedad dada (Geertz, 2014), y, por lo tanto, se pueden "leer" como documentos que ayudan a comprender la realidad social. Metodológicamente, el texto se inspiró en el trabajo de Deena Weinstein (2000) quien propone analizar el heavy metal a partir de tres dimensiones: Dimensión del sonido, Dimensión verbal y Dimensión visual. En este sentido, además de la música antes mencionada, otros elementos (imágenes del inserto del álbum, artículos periodísticos y entrevistas con músicos y ex músicos de la banda) sirvieron como datos para el estudio presentado aquí.

Detalles del artículo

Citas

Arquidiocese de São Paulo (1985). Brasil Nunca Mais. tomo V, v. 1.
Avelar, I. (2003). Heavy Metal Music in Postdictatorial Brazil: Sepultura and the Coding of Nationality in Sound. Journal of Latin American Cultural Studies. 12 (03), pp. 329-347. Disponível em: http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/13569320310001629496. Acesso em: 10 de janeiro de 2014.
Barcinski, A; Gomes, S. (1999). Sepultura: toda a história. São Paulo: Ed. 34.
Becker, H. S. (2010). Mundos da arte. Tradução de Luís San Payo. Lisboa: Livros Horizonte.
Bourdieu, P. (2009). O poder simbólico. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
Cavalera, M. (2013). My Bloody Roots: toda a verdade sobre a maior lenda do heavy metal brasileiro. Rio de Janeiro: Agir.
Cravinho, P. (2012) “A música agora é o jazz”: o jazz como palco de resistência em Portugal, entre 1971 e 1973. In: SANTOS, M. do R. G.; LESSA, E. M. (coord.). Música Discurso Poder. pp. 157-172. Braga, Portugal, Edições Humus. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/23657. Acesso em: 10 de junho de 2017.
Diniz, S. C. (2012) Milagre dos peixes em tempos de “milagre econômico”: o Clube da Esquina e a resistência político-cultural à ditadura militar brasileira. In: SANTOS, M. do R. G.; LESSA, E. M. (coord.). Música Discurso Poder. pp. 369-380. Braga, Portugal, Edições Humus. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/23657. Acesso em: 10 de junho de 2017.
Foucault, M. (2013). Vigiar e punir: nascimento da prisão. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.
Geertz, C. (2014). A arte como sistema cultural. In: O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa, pp. 98-124. Petrópolis, RJ: Vozes.
Heinich, N. (2008). A sociologia da arte. Bauru, SP: Edusc.
Janotti Jr., J. (2004). Heavy Metal com dendê: rock pesado e mídia em tempos de globalização. Rio de Janeiro: E-Papers Serviços Editoriais.
Leite, C. S. (2006). Ecos do Carandiru: estudo comparativo de quatro narrativas do massacre. 2006. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.
Lima Filho, I. P. (2010). “Em tudo que eu faço, eu procuro ser muito rock and roll”: rock, estilo de vida e rebeldia em Fortaleza. (Tese de doutorado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brasil.
Lopes, P. A. L. (2006). Heavy Metal no Rio de Janeiro e dessacralização de símbolos religiosos: a música do demônio na cidade de São Sebastião das Terras de Vera Cruz. (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.
Luna, G. (2014). “Refuse/Resist”: As poéticas de contestação social da banda Sepultura. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brasil.
Lukács, G. (1982). La Música. In: Estética 1: cuestiones liminares de lo estético. v. 4, pp. 7-82, Barcelona: Grijalbo.
Micelli, S. (2003). Nacional Estrangeiro. São Paulo: Companhia das Letras.
Miranda, D. S. de. (2001). Tempo da festa x tempo do trabalho: transgressão e carnavalização na belle époque tropical. (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.
Napolitano, M. (2010). MPB: a trilha sonora da abertura política (1975/1982). Estudos Avançados. 24 (69), pp. 389-402. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/eav/issue/view/759. Acesso em: 15 de maio de 2017.
Reis Filho, D. A. (2014). Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar.
Silva, P. R. M.; Castelo Branco, E. de A. (2013). Cantar e seguir a canção ou para não dizer que esgrimi a palavra: guerra de sentidos e estética da contestação nas canções de protesto em Teresina (1975-1985). Revista História e Cultura. 2 (2), pp. 234-247. Disponível em: https://ojs.franca.unesp.br/index.php/historiaecultura/article/view/846/1076. Acesso em 8 de junho de 2017.
Skidmore, T. (1988). Brasil: de Castelo a Tancredo. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Souza, M. (2015). Música e contestação: Palhostock, o Woodstock de Santa Catarina. Revista Santa Catarina em História. 9 (2), pp. 38-50. Disponível em: http://seer.cfh.ufsc.br/index.php/sceh/article/view/732. Acesso em 8 de junho de 2017.
Varella, D. (1999). Estação Carandirú. São Paulo: Companhia das Letras.
Versolato, B. (2008). Países que puniram ficaram menos violentos. Caros Amigos. ano XII, (138), p. 36.
Weinstein, D. (2000). Heavy Metal: the music and its culture. Rev. ed.: Da Capo Press.
Zolberg, V. L. (2006. Para uma sociologia das artes. São Paulo: Editora Senac.
Global Metal. (2008). Produção e Direção: Sam Dunn e Scott McFadyen. Canadá.
Metal: A Headbanger’s Journey. (2005). Produção e Direção: Sam Dunn e Scott McFadyen. Canadá.
Ruído das Minas: a origem do heavy metal em Belo Horizonte. (2009). Direção: Filipe Sartoreto. Produção: Gracielle Fonseca. Belo Horizonte. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=8EEGZUz2jI0.
SEPULTURA. (1993). Chaos A.D. Holanda.