De caçadores de comida a caçadores de informação

Por que vou ter que aceitar uma verdade desconfortável para mim, baseada nos fatos, se posso pegar, como caçador, informação a vontade e construir a verdade/pós-verdade que seja fiel a minha crença?

De caçadores de comida a caçadores de informação 1
De caçadores de comida a caçadores de informação 2
De caçadores de comida a caçadores de informação 3
Fonte: pinterest.ru

Há 12 mil anos atrás aconteceu a Revolução Agrícola. Nela, pelo novo conhecimento desenvolvido e adquirido de manipular a vida de algumas plantas e animais, permitiu ao Homo sapiens ter para sua disposição mais grãos, frutas e carne, o que se traduz em nutrientes essências para a vida de nossa espécie. Esse conhecimento significou uma mudança transcendental para a humanidade. Mais de 2 milhões de anos os humanos mantiveram um estilo de vida predominantemente nômade, no qual podemos destacar três características, uma é a procura do alimento a depender da disponibilidade dos territórios “visitados”, outro é o perigo que significava ser presa e não depredador principalmente (há poucos anos só, considerando a vida total de nossa espécie sobre o planeta Terra, é que nos transformamos em depredador predominantemente), e a terceira característica dessa vida nômade era a deslocação de acordo com épocas de clima mais favoráveis para a vida. Porém, a Revolução Agrícola significou e favoreceu um estilo de vida mais sedentário, que permitiu nos estabelecer em territórios mais ou menos delimitados, criando os primeiros assentamentos humanos estabelecidos e, finalmente, facilitando o crescimento demográfico exponencial que nos elevou até os 7,7 bilhões de habitantes (Adriazola e Galeffi, 2019).

Desde lá, dos tempos da Revolução Agrícola, não mudou, no fundo, nosso estilo de vida predominantemente sedentário, no sentido de não necessitar mais manter-nos deslocando pelo planeta constantemente durante nossa vida. O progresso e a evolução constante que tem experimentado a humanidade, manteve estável esse passo de ser caçadores para ser camponeses. Mas, segundo o filósofo coreano Byung-Chul Han (2018), isto há uns anos vem apresentando uma mudança, uma espécie de retorno, em certo sentido, a um estilo mais caçador do Homo sapiens. Esse estilo caçador seria pela influência da tecnologia digital que alterou nossa interação com a informação. No estilo sedentário-camponês prévio a digitalização da vida, a humanidade tinha uma relação passiva com a informação, facilitada pelas mídias de massas tipo radio, na que mais que uma comunicação o que predominava era uma anunciação, uma entrega de informação como uma descrição para nós da verdade, e com ela, da realidade. Enquanto com a massificação da mídia digital isto mudou.

A Revolução Digital iniciada pela criação do primeiro computador, o Computador e Integrador Numérico Electrónico (ENIAC) em 1945, somada com a penetração que vem tendo a internet desde 1993 na vida das pessoas, nos levou ao ponto atual em que, facilitados pela mídia digital, deixamos de ser receptores só de informação, também somos seu produtor (Adriazola e Galeffi, 2019) Esse cambio para uma comunicação mais efetiva em relação mais estrita ao concepto de comunicar, quer dizer, mais simétrica, significou ser um ator mais ativo versus o que aconteceu na era das mídias analógicas previas. O anterior se traduz em que cada Homo sapiens, portador de um aparelho tecnológico, participa na descrição da verdade e da realidade.

Voltando ao filosofo Han (2018), essa participação mais ativa na nossa relação com a informação, transformou aos sapiens em novamente caçadores, mas caçadores de informação, que se caracterizam pela “impaciência”, quer dizer, que “agarram” em vez de deixar as coisas amadurecer, assim, a presa-informação não “madura”, não se desenvolve, é muitas vezes ainda “imatura” quando já é espalhada, sendo uma descrição parcial, fraca ou incompleta da verdade. Agora, a possibilidade de participar mais ativamente na descrição da verdade e da realidade pela Revolução Digital, deu um novo poder ao Homo sapiens, o de criar sua própria verdade, a conhecida pós-verdade. Com esse poder o homem, massivamente, tem a possibilidade de criar uma realidade, sua realidade, de acordo com o que sente deve ser ela, escolhendo a presa-informação que melhor reflete essa realidade e, finalmente, espalhá-la como certa.

 

Por que vou ter que aceitar uma verdade desconfortável para mim, baseada nos fatos, se posso pegar, como caçador, informação a vontade e construir a verdade/pós-verdade que seja fiel a minha crença?

Referencias

Adriazola, Alvaro; Galeffi, Dante. (2019). As grandes revoluções do Homo sapiens marcadas pelo conhecimento: um caminho até a modernidade líquida. En: Difusão Social do Conhecimento: Perspectivas Epistemológicas Multirreferenciais». Curitiba: Editora CRV.

Han, Byung-Chul. (2018). No enxame: perspectivas do digital. Petrópolis: Vozes.

mm

Doctorando en Difusión del Conocimiento, Universidad Federal de Bahia, Brasil.

Maestro en Ciencia Animal, Universidad Federal de Bahia, Brasil.

Médico Veterinario, Universidad Católica de Temuco, Chile.

¿Qué te ha parecido?

(1 votos - Media: 5)