relações Sul-Sul

A ideia de cooperação Sul-Sul (CSS) ganha relevância a partir um cenário de descontentamento com as assimetrias existentes na arena internacional; de questionamento sobre a efetividade do modelo ocidental de desenvolvimento e de crítica ao viés assistencialista comumente observado nos vínculos entre o ‘Norte’ e o ‘Sul Global’1O conceito de ‘Sul Global’ ou ‘Sul’ desvincula-se de seu caráter geográfico. Na maior parte das interpretações, diz respeito ao “agrupamento que reúne os chamados ‘países em desenvolvimento’ (países de renda média e países de renda baixa)” (Leite, 2012, p. 4): uma grande quantidade de países da África, da Ásia e das américas Central e Latina – cerca de 160 de um total de 195 Estados reconhecidamente independentes – que enfrentam desafios significativos […]

Cambio Verdadero

Um dos desenvolvimentos recentes no contexto da “internacionalização da educação superior” é o maior reconhecimento de que ao lado das oportunidades que esse processo oferece há uma série de questões políticas e éticas que são complexas, contraditórias e contestáveis. Integram o núcleo da crítica ao processo o entendimento de que as motivações e os interesses econômicos/mercadológicos para internacionalizar têm se sobressaído aos demais (acadêmicos, socioculturais etc.); de que a internacionalização está “perdendo o seu rumo” (Knight, 2014, p. 76, tradução nossa); de que nesse campo a competição avança em detrimento da cooperação1De Wit (2019, p. 12, tradução nossa) resume o contexto desta forma: “Em outras palavras: uma evidente mudança de (somente) cooperação para (mais) competição.”; de que a internacionalização deveria […]

capitalismo universitário global

Em texto publicado em junho de 2019, contextualizei as medidas governamentais da gestão Bolsonaro no que diz respeito à educação superior brasileira. Argumentei que os diversos esforços empreendidos em defesa da universidade pública eram imprescindíveis, mas necessitavam transcender as categorias coloniais para que não acabassem justificando o próprio fim dessa instituição. Como Mignolo (2017, p. 17) ressalta em sua crítica decolonial, “se nos dirigirmos à modernidade, permaneceremos presos à ilusão de que não há outra maneira de pensar, fazer e viver”. Embora o principal alvo dos ataques – a universidade pública – já estivesse definido, até recentemente nenhuma reforma abrangente havia sido implementada. As medidas alcançaram outra proporção quando, em junho de 2019, o Ministério da Educação anunciou o “Future-se: […]

educação superior brasileira

A violência das medidas governamentais direcionadas à educação superior brasileira tem sido causa de grande aflição entre reitores, comunidades universitárias e a sociedade em geral. Os diversos esforços e argumentos empreendidos em defesa da universidade pública são fundamentais, mas para que não recaiam nas categorias coloniais da racionalidade dominante, devem transcender a lógica reprodutivista do sistema de capital. Incertezas, controvérsias e retrocessos De janeiro a março de 2019, o Ministério da Educação esteve representado por Ricardo Vélez Rodrigues. Sua gestão foi palco de uma espécie de ‘guerra interna’ entre seguidores do filósofo autodeclarado Olavo de Carvalho e membros do corpo militar, o que resultou na demissão de mais de dez pessoas em cargos de alto nível. A postura do então […]

Roberto Leher

Nesta entrevista com respeitado intelectual na área de Educação Superior e reitor desde 2015 da maior e uma das mais antigas universidades públicas brasileiras, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o Prof. Roberto Leher discorre sobre os preparativos da comissão de reitores da Asociación de Universidades Grupo Montevideo (AUGM) para a III Conferência Regional para a Educação Superior (CRES/2018) e trata das perspectivas e dos desafios que se manifestam na atual conjuntura da educação superior no Brasil, na América Latina e no mundo. Também complementa informações advindas de sua participação na referida Conferência. Sua fala envolve aspectos como a concepção de educação superior como bem público e direito humano fundamental social e individual; a mercantilização do setor; o papel de organismos internacionais nos rumos da educação superior mundial; a ciência e o desenvolvimento; a “internacionalização” ou “transnacionalização” da educação superior;” a importância da CRES para o futuro da universidade e o papel da participação e da mobilização estudantil nesse cenário.

Desafiando o imperio positivista

Educação superior, universidade e internacionalização coloniais As interpretações dominantes do mundo em determinada época facilitam, possibilitam e validam as transformações sociais conduzidas pelos grupos hegemônicos. Notadamente, a expansão mundial do sistema capitalista não teria se concretizado sem a legitimação dos princípios de apropriação e exploração conferidos pela ciência moderna e sua diferenciação hierárquica radical entre humanidade e natureza ou sujeito e objeto. A universidade é simultaneamente produtora e produto desse projeto civilizatório. Suas divisões disciplinares, seus modelos teóricos e suas histórias eurocentradas consagram o padrão de poder capitalista/moderno/colonial. Do mesmo modo, trata-se de uma instituição cujas práticas se alimentam do modo binário pelo qual o conhecimento é majoritariamente produzido e organizado. É nesse sentido que a “internacionalização da educação superior” […]