Os deslocamentos da força feminina não-branca e branca e suas expressões

Todavia, essa ontologia dualista que separa o humano do não-humano; a natureza de cultura; indivíduo da comunidade; “nós” de “eles;” mente de corpo; razão e emoção.

Portada Abada Capoeira

O tema deste artigo trata do feminino no Abada Capoeira no Brasil. A justificativa se expressa pela necessidade de se pensar novas maneiras de abraçar as relações entre homens e mulheres não-brancos e brancos, ou seja, a descolonização do ser e do saber. A pergunta disparadora que deu origem às ideias nesse artigo encabeça a discussão sobre equidade social entre o feminino e masculino não-brancos e brancos. O objetivo é apresentar e discutir, teoricamente, a participação de coletivos de mulheres não-brancas e brancas na escola Abada Capoeira. Tem o intuito de ouvir essas mulheres de modo que se estabeleça uma conexão entre teoria e vida real com a finalidade de modificar a cultura androcêntrica hegemônica moderna. É uma pesquisa qualitativa, […]

Deusa primitiva

O que significa viver no mundo? O que é o mundo? Por que ele é supostamente redondo? Por que não é assimétrico, triangular ou como uma figura geométrica qualquer? Seria porque ele carrega consigo um sentido de finalização apoteótica que deifica a alegria de viver, exalta o foco em alguma coisa, louva as sensibilidades, celebra a transitoriedade da existência humana e glorifica a inspiração de um certo equilíbrio? Diz-se de um certo equilíbrio porque hipoteticamente existe a necessidade da desarrumação para sua posterior arrumação. Do bagunçar para organizar. Do perder-se espacialmente para encontrar a própria geografia no Mundo. Para desfocar-se totalmente, e ainda assim, instantaneamente concentrar-se. E o que seriam os tais fenômenos mundanos? Seriam sorte grande, pequena ou/e apenas […]