Brasil e sua liberação do Politicamente Correto. 2ª parte

Continuamos comprendendo, baseado em exemplos, a «liberação» brasileira do Politicamente Correto.

Brasil e sua liberação do Politicamente Correto. 2ª parte 1
Brasil e sua liberação do Politicamente Correto. 2ª parte 2
Brasil e sua liberação do Politicamente Correto. 2ª parte 3
Fuente: https://i.ytimg.com

Na entrada anterior “Brasil e sua liberação do Politicamente Correto. 1ª parte”1, começamos o caminho-processo de tentar compreender o que significa, para o governo brasileiro atual, a liberação do politicamente correto anunciada pelo Presidente Jair Bolsonaro, no dia 1 de janeiro de 2019, na sua posse como o 38º Presidente da República Federativa do Brasil. Como estratégia para compreensão, nos planteamos mostrar exemplos do “combate” que estiveram realizando o presidente e os membros de seu governo. Nessa primeira etapa, foram incluídos eventos desde a posse até os 100 primeiros dias de governo, onde além do Presidente, o Ministro de Educação (desse período), a Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, a Ministra de Agricultura e o Ministro das Relações Exteriores, nos aportaram exemplos do combate ao politicamente correto. Agora “vamos ver” que novos exemplos aconteceram…

A educação, para o governo brasileiro atual, parece ser uma área recorrente de aspectos politicamente corretos que devem ser “melhorados”. O anterior Ministro de Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, considerava que as universidades deveriam estar reservadas para uma elite intelectual1. Agora o novo Ministro de Educação, Abraham Weintraub, considera que a expansão do ensino superior alcançada em governos anteriores foi “uma tragédia”, porque segundo o ministro “a gente aqui no Brasil quis pular etapas e colocou muitos recursos no telhado antes de ter a base da casa”2. Essa “tragédia” é representada pela criação no decênio 2000-2010 de dezenove novas universidades federais3, assim como, que no período de 2002-2014 aumentasse o número de vagas para graduação de 113.263 para 245.983 e de matrículas em pós-graduação de 48.925 para 203.7174. A expansão de 117% no número de vagas, ampliar em 31% o número de instituições de educação superior e o crescimento de 316% na pós-graduação, evidentemente vá em contra do pensamento do anterior ministro, de reservar a universidade para uma elite intelectual, por isso pode fazer sentido que seja categorizado como “uma tragédia” para o ministro atual.

Já a Ministra de Agricultura indicou que os brasileiros “não passamos muita fome, porque nós temos manga nas nossas cidades”1. Nessa linha de pensamento e combate ao politicamente correto, o presidente Bolsonaro se uniu ao indicar que “falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira”5, segundo o mandatário, a possível preocupação pelos 5,2 milhões de brasileiro que passam fome segundo a ONU6, seria “um discurso populista, tentando ganhar simpatia popular, nada mais além disso”5. Podemos “deduzir” que os dados da ONU são politicamente corretos?, ou que, pelo fato de os brasileiros ter mangas nas cidades, falar de passar fome seria uma grande mentira?.

Quando se fala de delitos de abuso sexual, um tema bastante entendido é que culpar às vitimas pelo abuso que sofreram, é contraproducente, pouco empático, até cruel, e que tenderia como resultado o aumento do trauma que significou o delito que padeceram. Mas, na visão da Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos isso parece ser politicamente correto, devido a que Damares Alves afirma que “as meninas lá são exploradas porque elas não têm calcinha, não usam calcinha, são muito pobres”7, para se referir e explicar, os motivos pelo que se originam esse tipo de crimes na ilha de Marajó no Estado do Pará, e anunciar a criação de fabricas de calcinhas como parte da solução.

Uma das propostas principais, do então candidato Jair Bolsonaro, foi a flexibilização das regras sobre o uso de armas de fogo e munição. Agora no governo, se começa a identificar e evidenciar qual é a percepção e significado que tem as armas para o presidente e seus ministros. Nesse sentido, Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional afirma que a posse de armas,

“é um direito do cidadão como qualquer outro, como uma geladeira, como uma televisão, como um aparelho de som. É de acordo com a sua possibilidade, mas todo cidadão passa a ter o direito de ter uma arma”8.

E para finalizar esta segunda parte da liberação do Politicamente Correto, que transcorre no Brasil contemporâneo, vamos acompanhar quatro episódios em que Bolsonaro parece demostrar, que a cordialidade e bom trato, que se suponha tem que ter um presidente de estado, com seus compatriotas (em três casos), e com as pessoas em geral, no outro caso, é algo politicamente correto só.

No primeiro episodio, se pode considerar uma falta de decoro, quando para defender a exploração da Estação Ecológica de Tamoios, e em resposta ao questionamento pelo possível deterioro ambiental que significaria um projeto turístico nessa reserva, o presidente contestou que “só aos veganos que comem só vegetais, é importante a questão ambiental”9. No segundo caso da “cordialidade”, vá na mesma linha de preocupação ou despreocupação pelo tema ambiental, refletido na sua declaração respeito ao interesse-preocupação que há no mundo, fora do Brasil, pela Amazônia, para o que o presidente manifestou que “o Brasil é uma virgem que todo tarado de fora quer» e acrescentando que “o que o outro mundo quer é preservar essa área pra eles explorarem um dia”10.

Nos últimos dois episódios, o que primou foi a ofensa desde o Presidente da República em direção a grandes segmentos de cidadãos brasileiros. Pelos contínuos cortes ou contingenciamento do orçamento das Universidades Federais do Brasil, aconteceram e continuam acontecendo manifestações cidadãs e da comunidade universitária no país. E num momento, desde Dallas nos Estados Unidos, o presidente decidiu se-referir aos manifestantes nos seguintes términos,

“não tem nada na cabeça. Se perguntar 7 x 8 não sabe. Se perguntar a fórmula da água, não sabe. Não sabe nada. São uns idiotas úteis, uns imbecis que estão sendo utilizados como massa de manobra”11.

No outro momento, a ofensa foi em direção a todo o nordeste brasileiro, quando Jair Bolsonaro diz que «daqueles governadores de ‘paraíba’, o pior é o do Maranhão; tem que ter nada com esse cara»12. Isto é devido ao uso do termo “paraíba”, que é um termo utilizado sobretudo no Rio de Janeiro (estado onde reside o presidente), de uso pejorativo, carregado de menosprezo e preconceito, para se referir aos nordestinos do país (nove estados do Brasil), que tem a intenção de colocar a seus habitantes em posição de inferioridade social, cultural e/ou intelectual12.

Com esses cinco novos episódios, o ultimo conformado por 4 exemplos, culminamos a segunda parte do “Brasil e sua liberação do Politicamente Correto”, que vão conformando esse “combate” iniciado o 1º de janeiro de 2019, e faz suspeitar que ainda pode gerar algumas outras partes mais…

Notas

  1. https://iberoamericasocial.com/brasil-e-sua-liberacao-do-politicamente-correto-1a-parte/
  2. https://oglobo.globo.com/sociedade/expansao-do-ensino-superior-nos-governos-passados-foi-uma-tragedia-afirma-ministro-da-educacao-23647233?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=O%20Globo
  3. https://www.ipea.gov.br/ppp/index.php/PPP/article/view/839
  4. https://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16762-balanco-social-sesu-2003-2014&Itemid=30192
  5. https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/07/19/falar-que-se-passa-fome-no-brasil-e-uma-grande-mentira-diz-bolsonaro.ghtml
  6. https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2018/09/11/interna-brasil,705203/combate-a-fome-no-brasil-se-estagnou-afirma-onu.shtml
  7. https://www.emol.com/noticias/Internacional/2019/07/26/955979/Polemica-en-Brasil-por-frase-de-ministra-de-la-Mujer-de-Bolsonaro-Las-ninas-son-violadas-por-andar-en-ropa-interior.html
  8. https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/05/23/posse-de-arma-e-direito-do-cidadao-assim-como-ter-geladeira-ou-tv-diz-heleno.ghtml
  9. https://oglobo.globo.com/brasil/questao-ambiental-so-importa-aos-veganos-que-comem-so-vegetais-diz-bolsonaro-23837719
  10. https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/07/06/brasil-e-uma-virgem-que-todo-tarado-de-fora-quer-diz-bolsonaro-ao-falar-sobre-amazonia.ghtml
  11. https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/05/15/bolsonaro-diz-que-bloqueia-verba-da-educacao-porque-precisa-e-nao-porque-gostaria-mas-chama-manifestantes-de-idiotas.ghtml
  12. https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/07/19/daqueles-governadores-de-paraiba-o-pior-e-o-do-maranhao-diz-bolsonaro.ghtml
mm

Doctorando en Difusión del Conocimiento, Universidad Federal de Bahia, Brasil.

Maestro en Ciencia Animal, Universidad Federal de Bahia, Brasil.

Médico Veterinario, Universidad Católica de Temuco, Chile.

¿Qué te ha parecido?

(0 votos - Media: 0)