Idéias Rasteiras

Ideias rasteiras são os pensamentos que
desde baixo derrubam o que se quer por cima.

Apresentar e aprofundar reflexões da capoeira na cultura e educação é o tema deste espaço. Com escrita livre, a proposta é versar a partir de documentos escritos, áudios visuais, entrevistas e insights de campo sobre temas da atualidade e históricos da prática Capoeira. O acolhimento das experiências do outro e suas narrativas serão peças fundantes e muitas vezes geradoras para uma compreensão ampliada do tema.

Como prática que se realiza desde o corpo e estabelece relações complexas entre o modo de ser, pensar e sentir do sujeito capoeira com a sociedade, a capoeira nos oferece como possibilidade a compreensão de múltiplos sentidos e significados. Compreender estes corpos capoeiras e seus métodos de organizar e comunicar os saberes são desafios postos, pois entendo que o sujeito da capoeira não é tão somente um praticante, mas um leitor de mundos, um autor implicado que tem a capoeira como ponto de partida e de chegada. Suas impressões, ações e produções tanto no jogo da capoeira quanto no seu cotidiano refletem e traduzem os elementos estéticos, éticos, políticos e ecológicos que possui numa contínua atualização de seus próprios saberes.

A manutenção e elaboração destes saberes são constituídas na realização da experiência e na comunicação entre mestres e discípulos, considerando a oralidade e as memórias dos mestres como elementos de ancestralidade e tradição. São narradores e testemunhas que no processo comunicativo interpretam, reinterpretam e atualizam saberes, conferindo dinâmica à tradição. Portanto, distanciando-se de compreensões monotéticas, cristalizações e verdades inquestionáveis – inapropriadas às práticas culturais e a educação crítica -, tradição é compreendida aqui enquanto mudança, não por intenção e sim por atualizações constantes por aqueles que a realizam. Por isso, também a manutenção e produção dos saberes se dão não pela transmissão e sim pela comunicação. A comunicação necessariamente ocorre no encontro com o outro e que produz invariavelmente o choque entre os diferentes. E na abertura para se compreender o diferente ocorrem atualizações dos saberes da tradição.  Na comunicação entre narradores – mestres/discípulos – e testemunhas – discípulos/mestres – há a necessidade de se compreender e ser compreendido, ou seja, de compreender compreensões. Neste processo educativo baseado na comunicação, tampouco as identidades são fixas, pois narradores e testemunhas servem um ao outro intercambiando seus papéis. Mestres e discípulos aprendem juntos em diálogo, elaborando e mantendo tradições. Quando tradições tornam-se hegemônicas surgem desafios educativos encontrados contemporaneamente na prática da capoeira.

De qualquer modo o conceito de capoeira se expande conforme se dissemina e é praticada no mundo, sendo impossível tratá-la somente no singular. A complexidade que envolve a capoeira, praticada atualmente por mais de 11 milhões de pessoas em mais de 150 países, favorece uma compreensão plural sobre seus saberes e as relações comunicativas travadas em seu interior. Estas serão as linhas gerais dadas para construção do pensamento livre sobre a capoeira neste espaço.